terça-feira, 13 de maio de 2014

travelling



É quando achamos que encontramos uma ilha segura para largar a âncora, onde a comida não importa mas sim a forma como os raios de sol batem na cara, que a proa do barco começa desmoronar-se. O Eu construído já há meses, desde a última vez que vira e pisara terra, foi balançando com o mar. Viver neste meu barco, que de início era de vidro mas agora é de ferro, sempre me deu segurança. Mas agora vejo que o ferro nem sempre é indestrutível... Basta carregar-lhe no sítio certo, lançar a bomba na altura certa, que ele se afunda. E com ele, tudo o resto. É como dizem, "morrer na praia" mas, neste caso, antes de chegar a ela. Não foram as marés vivas ou altas, não foram ventos e tempestades... Foi só a proa. Um bocadinho tão pequeno e insignificante, que lhe permitia velejar com a vida, que lha roubou por completo. A minha proa foi-se, outra vez. Mas há sempre maneira de chegar à ilha, basta saber nadar. Havemos de chegar cansados, com o coração a palpitar e quase a querer subir-nos pela garganta, mas chegamos. Porque quando a vontade é superior à força, tudo se alcança.

2 comentários:

  1. Lutar por tudo e tudo alcançar, soa-me a viver.
    Fantásticas palavras tuas.

    ResponderEliminar
  2. Escreves muitíssimo bem, parabéns

    ResponderEliminar