sexta-feira, 2 de abril de 2010

we have to die one day


talvez seja de mim, não sei
talvez desta vez eu saiba amar, não sei
talvez seja de ti? nobre desconhecido
talvez seja só por agora, não sei
talvez seja pela ausência, não sei
talvez seja realmente apenas por ser eu.

estás por aí ou apenas não me queres ouvir? estás presente ou queres apenas dar-te como ausente?
mas afinal, porque é que quando estamos às portas da morte nos entubam pelo nariz, pela boca, por tudo quanto é canto? porque é que apenas não nos deixam ir? voar para o infinito, para o desconhecido, para longe. porquê toda esta dor? matam-nos ao tentar trazer-nos à vida. amam-nos sabendo que estamos vivos. mas para lá do horizonte, não será melhor? mais aconchegante e seguro? aqui vemos as lágrimas e dor que trazemos aos outros pela nossa própria dor. e quando não podemos falar? como explicar que apenas não queremos estar aqui? que sabemos que lá, longe, no alto, estamos melhores? confiamos Nele, não é verdade? todos sabemos que ele estará lá, de mão aberta para nós, para nos levar para a felicidade depois do adeus a quem mais amamos. porquê tanto medo se daqui a milénios estaremos todos novamente em roda, unidos, de mãos dadas e a cantar o hino da alegria? podemos não ter a certeza do que nos espera, mas mesmo não havendo uma promessa de que estaremos todos juntos... sabemos que estaremos melhor do que estamos agora. sufocados pela dor que não nos deixa falar. pela perda das memórias que já não nos fazem trazer aos olhos os melhores momentos da nossa vida. simplesmente porque os anos passam, não ficam. vão todos, um por um, acabando por ser impossível conta-los pelos dedos das mãos e dos pés. e quando chegamos aqui, a esta etapa da vida, apenas o sorriso dos próximos nos faz sentir seguros, como se eles nos indicassem que ficaria tudo bem, mais tarde ou mais cedo. porque nós não ficamos aqui para sempre. um dia havemos todos de ver uma corda descer à nossa frente e com um brilho enorme que nos faz saber que ela nos diz "sobe, vem comigo, confia em mim" e por fim vemos a luz. aquela luz ofuscante por quem todos esperam, e alguns desesperam. a luz da eternidade, não sei. a luz da felicidade, não sei. mas é a luz. a de que todos falam.

(apenas falo por quem não consegue falar)

4 comentários:

  1. adorei adorei adorei *.*
    podes-me dizer o nome da música? é lindaa !

    ResponderEliminar
  2. Posta mais alguma coisa, manola! :)

    ResponderEliminar
  3. pois :bb eu também nunca tinha ouvido até ma terem dito. e pensando bem, faz muito sentido ; )
    obrigada linda, já encontrei a música *.*

    ResponderEliminar