domingo, 29 de novembro de 2009


estava a chover, e eu estava deitada na cama com o rádio ligado. estava a olhar pela janela, era tarde. estava escuro, e a música abafava os meus pensamentos. não valeria a pena pensar em nada nem em ninguém, deveria ser um momento meu e só meu. uma nostalgia invadiu-me, e eu só queria adormecer para ultrapassar tudo aquilo. apetecia-me sair de casa a correr e ir até ti, raptar-te e trazer-te para minha casa, e fazer-te prometer que nunca me deixarias. já to disse antes, que algum dia enquanto dormias eu iria aparecer no teu quarto, meter-te dentro do meu saco, e nunca mais ninguém te veria, porque ficarias comigo para sempre. e qualquer dia, fá-lo-ei mesmo. não existe ninguém que me impeça, e tu queres que eu te rapte também, porque existe uma grande telepatia entre nós. "és linda" é algo que ouço de ti todos os dias, sabes mentir tão bem. a minha resposta é sempre "tu é que és" e digo-te isto porque é uma verdade pura. quero ficar contigo para sempre meu amor, queres também?

acabo de escrever este texto, e uma mensagem tua acaba de invadir a minha caixa de entrada, bom dia amor.

11 comentários:

  1. adoro a maneira como escreves, minha fabi (L)

    ResponderEliminar
  2. Adoro a doçura com que pintas cada palavra. <3

    ResponderEliminar
  3. Porque será que os pássaros
    Cantam na partida do dia
    Porque será que um amante ausente
    Fica de alma apertada, vazia?

    Porque será que as ondas lamentam
    Em sussuros de sal no areal
    Porque será que as rezas são feitas
    Para correr para o longe o perverso mal?


    Boa semana


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  4. Nao ha limites para o amor : )


    "enquanto dormias eu iria aparecer no teu quarto, meter-te dentro do meu saco, e nunca mais ninguém te veria, porque ficarias comigo para sempre" gostei +.+

    ResponderEliminar